You are currently viewing Vinculação: Relação Mãe-Bebé

Vinculação: Relação Mãe-Bebé

Neste artigo, vou apresentar-te o inicio das investigações em torno da Teoria da Vinculação. A experiência mais significativa foi realizada por uma psicóloga de desenvolvimento, na década de 70, Mary Ainsworth, designada por “Situação Estranha“.

Através da observação das ligações afetivas entre mãe e criança, concluiu que existe padrões distintos de ligação logo dos primeiros anos de vida. Padrões esses que se manifestam através da segurança, do conforto, da tensão ou do conflito.

De uma forma simples, a experiência decorria numa sala experimental, onde as mães e seus bebés começavam a interagir. A dado momento, um estranho entra na sala, para que fosse possível avaliar a reação do bebé à sua presença.

Dois momentos chave desta investigação foram a saída da sala da mãe, deixando o bebé só com o estranho e o regresso da mãe. Com esta dinâmica permitiu definir os primeiros três estilos de vínculo, onde ficou claro que a reação da criança ao regresso da mãe era imprescindível para a definição do estilo.

Num Vínculo Seguro:

  • Ansiedade de Separação: Inquieto quando a mãe sai;
  • Ansiedade perante o estranho: evita o estranho quando sozinho, e é amigável quando a mãe está presente;
  • Comportamento quanto a mãe regressa: positivo e feliz quando a mãe regressa;
  • Observação: usa a mãe como “base segura” para explorar o mundo.

Num Vínculo Ansioso-Ambivalente:

  • Ansiedade de Separação: muito inquieto quando a mãe sai;
  • Ansiedade perante o Estranho: evita o estranho e mostra o medo;
  • Comportamento quando a mãe regressa; criança aproxima-se da mãe mas resiste ao seu contacto, rejeita-a e empurra-a
  • Observação: Chora mais e explora menos o ambiente que os outros vínculos

Num Vínculo Evitante:

  • Ansiedade de Separação: Não mostra qualquer sinal de inquietação quando a mãe sai;
  • Ansiedade perante o Estranho: não mostra ansiedade e brinca com o estranho;
  • Comportamento quando a mãe regressa: não mostra interesse quando a mãe volta. Ignora-a.
  • Observação: Mãe e estranho são capazes de confrontar a criança igualmente.

Caso tenhas questões, podes sempre enviar-me um e-mail.

Cátia

Deixe um comentário